top of page
Dra Tielle Name.png

DISFUNÇÃO MITOCONDRIAL COMO UM SUBTIPO NEUROBIOLÓGICO NO TEA



Pesquisa publicada pela JAMA Psychiatry fornece evidências sobre um subtipo neurobiológico de disfunção mitocondrial em indivíduos com TEA e os pesquisadores advertem: "Nossos resultados sugerem que pessoas com TEA devem ser submetidos a um avaliação para disfunção mitocondrial."

Há décadas estudos apontam a relação da disfunção mitocondrial e sintomas autísticos. A revista científica JAMA Psychiatry, com fator de impacto de 21,6 - uma das mais altas classificações entre as revistas de psiquiatria - tem um sua base de dados uma pesquisa que mostra que o Autismo vai muito mais além do que a maioria das pessoas está acostumada (e foi ensinada) a enxergar.


Com o objetivo de avaliar o lactato cerebral, pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Columbia, EUA, e do Instituto Psiquiátrico de Nova York, realizaram um estudo de caso-controle envolvendo 75 crianças e adultos com TEA e 96 controles pareados por idade e sexo, com desenvolvimento típico.

Considere a mitocôndria a nossa organela responsável para produção de energia PARA O ORGANISMO INTEIRO, inclusive para você estar lendo esse artigo e para a pessoa autista na transmissão sináptica.


O cérebro demanda de muita energia, por isso tem MUITA mitocôndria.


Se há uma disfunção primária dessa organela ou no suprimento de matéria prima para ser metabolizada, o rendimento da mitocôndria cai, e assim diminui o nível de energia e consequentemente da função celular.


No caso do sistema nervoso central, as consequências são devastadoras, que vão desde diminuição de cognição até respostas motoras e reflexas comprometidas.


Para isso o organismo busca rotas alternativas para compensar essa diminuição de energia, assim chegamos na produção de lactato discutida no estudo da JAMA.


Um dos principais desvios de rota metabólica é a fermentação lática, que produz energia sem precisar das mitocôndrias, mas o rendimento energético é bem mais baixo. Além disso, há a produção de subprodutos, e nesse caso o LACTATO (como é comum em desvios de rotas metabólicas), e diminuição da demanda energética (que também tem consequências).


Os pesquisadores analisaram o depósito de lactato no cérebro como forma indireta de validar a diminuição da atividade mitocondrial, e assim justificando muitos dos sintomas autísticos, além da ativação da microglia e neuroinflamação.


Ah, sim, tudo isso já faz parte da nossa Pós-Graduação, a única no Brasil que aborda e ensina essas questões.


Sds,

Dra Tielle Machado

👨‍🎓👩‍🎓 PÓS-GRADUAÇÃO EM AUTISMO E TDAH

📘 EBOOK GRATUITO AQUI

Você também pode nos encontrar aqui ↴

▼ INSTAGRAM:

▼ CANAL NO YOUTUBE:


📚 REFERÊNCIAS:


Mitochondrial dysfunction as a neurobiological subtype of autism spectrum disorder: evidence from brain imaging; JAMA Psychiatry June 2014; DOI: 10.1001/jamapsychiatry.2014.179


Comentarios


  • Instagram
  • Facebook Basic Square
  • YouTube
Posts Recentes
bottom of page